A Cor do Romã

A Cor do Romã
De Sergei Paradjanov
****

Revi, devidamente acompanhado, este filme revolucionário do Paradjanov, e as palavras me faltam. Diria que é um dos filmes mais ousados da história do cinema (talvez rivalize apenas com Crônica de Anna Magdalena Bach). É o tipo de filme que cada plano esconde uma surpresa, que nunca conseguimos adivinhar qual será o próximo plano. Paradjanov foi preso e torturado por causa desse filme, e não é à toa, pois num regime centralizador como o russo, uma obra de arte anárquica como essa não poderia ser deixada incólume. Paradjanov tenta reproduzir o impacto da arte medieval, toda a tradição dos trovadores medievais, e da essência viva das origens da arte e do povo da Armênia remota, mas como isso é possível para o espectador de hoje? Então que Paradjanov cria um espetáculo arrebatador, um filme anticinematográfico, porque o cinema, por definição, como muito bem já colocou o Walter Benjamin, é uma arte pós-revolução industrial. Então só é possível falar das origens do povo e da arte armênio no cinema fazendo um cinema anticinematográfico. Essa é a missão de Paradjanov, que faz um filme absolutamente místico, imbuído de um senso de missão e devoção inacreditáveis, cuja energia é plenamente perceptível do primeiro ao último plano. É o tipo de filme que temos que assistir ajoelhados sobre o milho. Para Paradjanov, o cinema de poesia é um cinema de sensações, um cinema plástico, de sons, imagens, cores, formas e texturas. No entanto, seu sentido “antiquado” de mise-en-scene (toda a idéia da racionalização e da tridimensionalidade do espaço na arte é obviamente pós-renascimento e portanto pós-bizantina) não consegue apagar um profundo sentido de incorporação do espaço (o uso extraordinário das locações) e um tipo de atuação profundamente “marcado’ que torna todo o filme uma experiência ritualística. Não se pode “entender” ou “acompanhar”, apenas “mergulhar”. E para quem mergulha, é um mergulho sem volta. Ave Paradjanov!!

Comentários

Moacy disse…
Meu caro: como você o viu? Em dvd? Um grande abraço.
Cinecasulófilo disse…
Moacy, tenho uma cópia em VHS pois esse e mais CAVALOS DE FOGO passaram no Telecine Classic. Aliás passei uma cópia em DVD para o Rosemberg, pega lá com ele. Humildemente te ofereço a pegar tbem com ele meu longa zen EM CASA (versão 78´). A proposito, vou ver sim com interesse o CARMEN sul-africano quando estrear no circuito. É só que os filmes que devem estrear eu aguardo para ver depois, sem o estresse desse tresloucado festival.

Postagens mais visitadas