O mistério de Picasso

O mistério de Picasso
de Henri-Georges Clouzot, 1956
***

DVD imperdível, que peguei na continuidade das minhas pesquisas sobre o sol do marmeleiro. Clouzot entendia das coisas, até o Truffaut teve que ocncordar: tem uma crítica bem interessante dele como extra do filme.

Há pouco a se dito: trata-se de um filme simples que deve ser visto mais do que comentado. É um filme sobre um artista em processo de criação. A "arte" de Clouzot se faz à medida que a arte de Picasso se desenha na tela. Os dois andam juntos; tornam-se uma coisa só, o filme e a tela, é muito comovente. Como diria Erice tempos depois, o cinema é muito limitado, ainda mais que a pintura. O rolo do filme acaba: é preciso que o quadro fique pronto, ainda que não esteja.

O filme de Clouzot é sobre o artista: então une a técnica ao conceitual. Precisa de uma técnica refinada para que o quadro de Picasso se funda à janela do cinema: é uma solução aciima de tudo técnica. a partir dessa solução técnica, Clouzot faz metalinguagem do espírito.

Metalinguagem: Clouzot mostra (às vezes) o fotógrafo Claude Renoir atrás das câmeras enquanto mostra (às vezes) o pintor Pablo Picasso atrás das telas. Mas só às vezes pq acima de tudo o filme é sobre o processo criativo em si. Deixe que o fazer em si nos ensine mais que qualquer coisa que possa ser elaborado a partir desse fazer. Essa é a psicologia máxima do artista!

Sem psicologia, sem didatismo, sem "filme de arte": o mistério de Picasso é grande cinema. É o documentário em expressão pura.

Comentários

Rita disse…
Acabo de assistí-lo et.... Je suis absolutment étonnée.
Obrigada por seu comentário, sensível, inteligente.
Abraços,
Rita
Cinecasulófilo disse…
oi Rita, merci pelo seu comentario.
abs
Suellen disse…
estou vendo o filme agora em sala de aula... ateh agora muito interessante!

Postagens mais visitadas